22 de abril de 2011

Estrada Velha de Guarapuava

Nessa Quinta-feira (21/04) fiz um pedal com o Felipe (meu cunhado), fomos percorrer um trecho da Estrada Velha de Guarapuava, que fazia a ligação entre Foz e Guarapuava. Na última vez que estive em Foz já tinha feito um trecho, só que dessa vez queria ir mais adiante. Saímos depois do almoço e seguimos por estradinhas secundárias, passamos por Aparecidinha e chegamos na Estrada Velha bem próximo ao fim do calçamento. Fizemos uma parada rápida na torre abandonada pra tirar algumas fotos e seguimos adiante.
Quanto mais avançávamos melhor a estrada ficava, até que em um trecho virou trilha, com direito a água, pedras, e alguns escorregões. Fora esse trecho a estradinha é muito boa de pedalar, com um visual bem bacana. Devido ao horário decidimos que seria melhor começar a voltar pra não pegar noite longe da civilização, já que noite iríamos pegar de qualquer maneira.
Não demorou muito pras rodas travarem com tanto barro, volte e meia tinhamos que parar pra tirar o excesso de barro.
Numas dessas paradas, já estávamos um pouco afastados do parque nacional, mas vi uma placa grande no meio da mata, voltei e fui lá ver o que era.
O local estava todo fechado, é a entrada pra uma trilha paga, pena estarmos com o horário apertado. De toda forma valeu pra carregarmos as caramanholas com água (que já estavam secas).
O caminho até a 277 fizemos meio sem saber pra onde estávamos indo, erramos um caminho e chegamos na sede de uma fazenda, aproveitamos e pedimos informação de como voltar. Pelo caminho indicado passariamos em Guanabara, onde paramos alguns minutos pra tomar uma coca.
Saindo de Guanabara fomos tentar um atalho pra fugir do calçamento, a estradinha que parecia ser a certa foi diminuindo de largura até que fechou completamente. Tivemos que voltar até Guanabara e seguir pelo calçamento mesmo, não dava pra arriscar se perder no escuro. No caminho encontramos uma caranguejeira.
Escureceu e ainda estávamos longe do asfalto, mas não demorou muito e chegamos no pedágio de São Miguel do Iguaçu, dali faltavam apenas 21km de escuridão.
Fizemos uma parada num posto em Santa Terezinha pra calibrar os pneus da bike do Felipe, aproveitei e consegui um pouco de óleo pra passar na corrente, que estava fazendo muito barulho por estar seca. De Santa Trezinha seguimos direto pra Foz, chegamos em casa na hora da janta.
O bom de pedalar nessa região é que faz bem pouca sujeira, quase nem se nota.
Números do pedal:
- Início: 14:40h.
- Término: 20:15h
- Tempo pedalando: 04:36h
- Distância: 72,4km.
- Média: 15,7km/h.
- Máxima: 44,5km/h.
- Altimetria acumulada: 925m.
- Gastos: R$4,50 (3 cocas).

2 comentários:

Jopz_B1B disse...

Eu já tinha achado essa região legal no primeiro pedal com as fotos da torre, mas essa agora com direito a barro e caranguejeira eu tinha que estar lá... show de aventura... E eu aqui quase morto de tanto vinho e bacalhau....

intepaz,

JOPAZ

Sérgio disse...

Conheço bem a costa oeste do Paraná, afinal nasci e me criei em Guaíra. Essa terra vermelha é muito boa, mas quando chove vira um grude só. Certa vez quebrei a gancheira por conta desse barro. O calor então.... Muito bom o pedal de vcs. Hoje pedalo na região de São José dos Pinhais. Confira meu blog: http://pedalandopontocom.blogspot.com/